Blog do Inédito

Um hálito de confiança!
17/Fev/20autor: Emerson Dias
Um hálito de confiança!

  

Plutarco viveu próximo ao ano 100 d.C. Era filósofo, historiador, ensaísta, matemático e professor. Viveu em Roma, mas também passou pelo Egito, Ásia e Grécia, sujeito vivido.

Ele, partindo do princípio que seria impossível aos homens viver uma vida sem inimigos, criou uma forma de tirar proveito desta situação.

Dizia ele:

Tendo em vista que os inimigos observam as nossas ações atentamente, é importante estarmos atentos a nós mesmos sempre. Eles estão sempre à espreita de nossos erros, desta forma somos obrigados a viver de modo virtuoso e irrepreensível, resistindo às facilidades e afastando-se da presunção.

Ser vigilante com nós mesmos nos previne de erros, nos faz viver uma vida de virtudes. O bom hábito diário nos força a sermos cada vez melhores.

Este mecanismo automático de defesa nos protege dos inimigos, ou seja, os inimigos nos ajudam a melhorar. Eles prestam um serviço que, muitas vezes, os amigos não executam.

Uma vez um inimigo disse a Plutarco que ele tinha mal hálito.

Ele foi para casa e reclamou com a esposa: Por que você nunca me falou desse problema?

Sua esposa, uma mulher simples e casta, respondeu: Pensei que todos os homens cheiravam da mesma maneira.

De fato, Plutarco estava certo ao buscar se melhorar a cada dia, mas certamente essa vida vigilante lhe causava muito estresse.

Dois mil anos depois, com o avanço das ciências sociais e da neurociência, já sabemos que para se obter performance de alto nível, é preciso ter uma coisa chamada segurança psicológica.

A segurança psicológica causa relaxamento, entrega, eleva os níveis de oxitocina no organismo (hormônio do amor) e só é possível quando os indivíduos confiam um nos outros.

Não existe segurança psicológica num ambiente em que as pessoas estão em constante vigilância. Este ambiente é resquício do nosso tempo primitivo, em que havia constante tensão de ter que se preparar para uma fuga a qualquer instante, porque um predador poderia aparecer e nos devorar. Ambiente em que se vive com alto nível de cortisol, o hormônio do stress.

Logo, confiança traz mais resultados que vigilância!

Papua Nova Guiné é a população no mundo tida como a menos urbanizada, quase que a totalidade da população vive em áreas rurais ou floresta. São organizados em comunidades tradicionais bem primitivas, é um local muito pouco explorado ainda, embora possua uma das maiores diversidades culturais do planeta. Não sei se Plutarco em suas viagens chegou a visitá-los. Acredito que não, pois se hoje pouca gente sabe onde fica Papua, imagina dois mil anos atrás?

Mas Papua é o local onde a população apresenta os maiores índices de oxitocina no organismo, ou seja, eles confiam uns nos outros.

E no Brasil?

Recentemente vi uma pesquisa sobre confiança, a pergunta feita mundialmente era: Pode-se confiar na maioria das pessoas?

Infelizmente o Brasil ocupa um dos lugares mais baixos do ranking, mostrando que não confiamos uns nos outros.

E se não confiamos será que é porque temos muitos inimigos? Se temos, estamos usando os ensinamentos de Plutarco para nos melhorarmos?

Últimas Postagens

  • test
    Dicas para o seu home office em tempos de Coronavírus

    Quais são as dicas básicas para fazer uma temporada de home office nestes tempos da crise do COVID19? Eu e meu parceiro David Kallás escrevemos um texto sobre isso para

    Leia Mais...
  • test
    O ônus do bônus

    Os americanos utilizam uma expressão, chamada “catch 22”, cuja tradução literal não quer dizer nada em português, mas é usada

    Leia Mais...
  • test
    Um hálito de confiança!

      

    Leia Mais...
  • test
    Estereótipos, democracia e liberdade de expressão

       Recebi a 

    Leia Mais...
  • test
    Funcionários felizes são, em média, mais produtivos!

    Já não é novidade que a qualidade de vida está diretamente ligada à produtividade no trabalho. Um estudo realizado pela Universidade

    Leia Mais...